Albert Mendonça
CIRURGIA PLÁSTICA

Mastoplastia redutora / mastopexia
(cirurgia de redução/correção de ptose)

Mastoplastia ou mamoplastia é o nome dado para as cirurgias das mamas.

Mastoplastia redutora : objetiva diminuir o volume e dar nova forma às mamas.

Mastopexia : objetiva corrigir a queda, com pequena ou nenhuma redução de volume associada.

As mastoplastias redutoras ou mastopexias visam alcançar proporções mais harmônicas entre as mamas, o tórax e conseqüentemente com o conjunto corporal. Na maioria das vezes, as reduções mamárias são acompanhadas da correção de algum grau de ptose (queda) e/ou assimetria existente. É extremamente importante ressaltar que as assimetrias mamárias são muito frequentes, podendo ser decorrentes do formato assimétrico das mamas ou do tórax (em geral alterações congênitas). Assim, podemos dizer que a simetria das mamas nem sempre pode ser alcançada pelo cirurgião.

As cirurgias de redução ou pexia das mamas sempre deixam cicatrizes, cuja forma, tamanho e posição variam de acordo com a técnica empregada, o volume e os excessos de pele e tecido mamário, a qualidade da pele etc. Costuma-se dizer que “as mamas terão as cicatrizes que merecem” em função das suas condições antes da cirurgia. Cada técnica tem sua indicação apropriada . As técnicas mais comuns deixam as cicatrizes mamárias em forma de “raquete”, “L” ou “T” invertido, e ao redor da aréola, localizadas em áreas que possam, na maioria das vezes, ser encobertas pelas vestes de banho. Menos frequentemente, pode ocorrer o inverso e as cicatrizes sofrerem um alargamento, ou tornarem-se grossas, altas e duras, formando quelóides. Estes estão relacionados à qualidade da pele e não ao modo como foi realizada a cirurgia.

Lactação e sensibilidade das mamas podem se alterar, mas geralmente são mantidas dependendo da técnica utilizada e desde que estas condições já existam antes da cirurgia. (18% das mulheres têm problemas de amamentação , mesmo as que nunca operaram suas mamas). Logo após a operação pode haver uma diminuição ou aumento da sensibilidade que aos poucos irá retornando ao normal ou não.

A cirurgia pode ter alta hospitalar no mesmo dia da operação ou com internação de 01 dia. O ato dura em média 4 horas . Pode ser usada anestesia geral ou peridural, dependendo da avaliação do caso pela anestesiologia.

Toda e qualquer anormalidade encontrada durante a cirurgia, como cistos ou nódulos, e as peças cirúrgicas serão encaminhados para exame específico (exame Anátomo-Patológico). Os custos destes exames são de responsabilidade do(a) paciente ( em cirurgias particulares), acertados diretamente no hospital ou laboratório responsável pela execução dos mesmos.

As intercorrências são situações que surgem no período pós-operatório . São exemplos: equimoses (manchas roxas na pele), edema (inchaço), pequenos hematomas que podem drenar espontaneamente ou necessitar drenagem cirúrgica, eliminação de pontos internos (por volta de três semanas), deiscência de pontos (abertura do corte), cicatrizes hipertróficas, quelóides, fibroses, alterações transitórias de sensibilidade etc. Outras intercorrências indesejáveis e mais complexas, que felizmente são raras: infecção, grande deiscência (abertura) de pontos, necrose (morte) parcial ou total da pele das aréolas, grandes hematomas que precisam ser drenados, necrose da gordura no local dos pontos internos, e as intercorrências pertinentes a qualquer procedimento cirúrgico. Pode ocorrer algum comprometimento do aleitamento materno após esta cirurgia. Também nos casos de gravidez posterior podem ocorrer alteração da forma e elasticidade da pele até mesmo com formação de estrias e pigmentação das aréolas e das cicatrizes.

Recomendações gerais para as cirurgias: não usar, por 2 semanas antes, medicamentos à base de AAS, anticoagulantes, corticóides de uso prolongado ou medicamentos para emagrecer. Abstinência do fumo por 30 dias antes da operação; não usar cremes ou maquiagem faciais a partir da véspera da cirurgia; jejum de acordo com a recomendação médica, comunicar ao seu médico qualquer anormalidade .

*OBSERVAÇÃO: Sangramentos copiosos ou variações volumétricas exageradas (na maioria das vezes unilateral) e de acontecimento súbito, acompanhados de dor, devem ser imediatamente comunicados ao seu médico. Pode se tratar de um hematoma e deve ser avaliado prontamente. O(a) paciente jamais deverá fazer compressas quentes na área operada, mudando a posição, para melhorar o inchaço. A pele ainda estará sensível e poderá ocorrer queimadura de 3º grau.

MUITO IMPORTANTE: a mastoplastia redutora e a mastopexia não são cirurgias para o resto da vida. A evolução normal das mastoplastias inclui um fenômeno natural das mamas chamado “báscula”, que consiste na acomodação dos tecidos mamários conferindo às mamas um formato mais natural. Tal fenômeno acontece após o terceiro mês e não deve ser confundido com uma nova ptose (queda). A qualidade dos resultados sofre alterações contínuas ao longo dos anos. Alguns fatores como idade, variação do peso corporal, qualidade e textura da pele, influências hormonais, gravidez, lactação, substituição adiposa das glândulas mamárias etc interferem de forma incisiva nas mamas, independentemente de terem ou não sido operadas. Assim, nova cirurgia poderá ser indicada com o passar do tempo. É um novo procedimento que poderá ser indicado para tratar os efeitos do tempo sobre as mamas. Este procedimento deve ser considerado como uma nova cirurgia, e não como retoque.

A paciente deve estar ciente que a cirurgia plástica, mesmo a estética, envolve obrigação de meios, segundo resolução 1621/2001, artigo 4º do Conselho Federal de Medicina.

Para ilustrações e outras informações procure o sitio na internet da biblioteca América de Saúde:
http://www.nlm.nih.gov

Orientações Pós-Operatórias
Mastoplastia redutora / mastopexia

  • Repouse em casa por 2 dias, mas não permaneça deitada durante todo o dia. Mobilize membros inferiores.
  • Atividades cotidianas liberadas, evite atividades domésticas por um mês.
  • Não levante os braços acima da altura dos ombros por um mês. Os antebraços e as mãos têm movimentação livre. Mantenha os cotovelos junto à cintura.
  • Use soutien cirúrgico por 1 mês , contínuo.
  • Uso de soutien indicado por mais 2 meses, contínuo.
  • A troca de curativos será feita no seu primeiro retorno. Não molhe os curativos!!
  • Durma voltada para cima durante as primeiras semanas.
  • Não é permitido dirigir nas 3 primeiras semanas, depois deste período aguarde autorização médica.
  • Após 3 semanas e com autorização médica, massageie as cicatrizes suavemente 2 vezes ao dia com óleo de rosa mosqueta ou de amêndoa, ou algum outro creme indicado pelo médico, até que fiquem macias e finas.
  • Usar esparadrapo micropore sobre as cicatrizes (após a retirada dos pontos) por 3 meses.
  • Depile as axilas e retome atividades sexuais leves somente após um mês.
  • Pode-se freqüentar piscina ou praia após 3 meses com roupa de banho preta que cubra totalmente as cicatrizes, que deverão ser protegidas por filtro solar FPS 60 e esparadrapo micropore.
  • Não pratique esportes por 3 meses.Não tome banho de sol diretamente por 6 meses.


R. Tenente Brito Melo, 1223
Barro Preto, Belo Horizonte - MG
CEP: 30180-074
(31) 4042-4115
(31) 99705-5703 WhatsApp
(31) 98765-5705 Médico
alchristi@hotmail.com

Desenvolvido por IPOTEC SOLUÇÔES EM TECNOLOGIA